quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

UNICEF- Cuba: Desnutrição Infantil Zero

UNICEF confirma: CUBA não tem Desnutrição Infantil



UNICEF confirma que Cuba é o único país da América Latina e Caribe que eliminou a desnutrição infantil




Cira Rodríguez César
Prensa Latina



A existência no mundo subdesenvolvido de 146 milhões de crianças menores de cinco anos com peso abaixo do limite mínimo contrasta com a realidade das crianças cubanas, reconhecidas mundialmente por estarem livres desse mal social.
Esses números preocupantes apareceram num documento recente do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), sob o título de: ¨Progresso para a Infância, Um balanço sobre a Nutrição¨, divulgado na sede da ONU.
De acordo com esse documento,  as crianças subnutridas somam 28% na África Subsahariana, 17% no Oriente Médio e Norte da África, 15% no Oriente Asiático e Pacífico e 7% na América Latina e Caribe.
Seguem a Europa Central e Oriental, com 5% e outros países em desenvolvimento com 27%.
Em Cuba não existem esses problemas, é o único país da América Latina e Caribe que eliminou a  desnutrição infantil severa, graças aos esforços do Governo para melhorar a alimentação da população, especialmente daqueles grupos  mais vulneráveis.
A realidade mundial mostra que 852 milhões de pessoas passam fome e que 53 milhões delas vivem na  América Latina. Somente no México são cinco milhões e 200 mil pessoas desnutridas e no Haití três milhões e 800 mil, enquanto em todo o planeta morrem de fome por ano mais de cinco milhões de crianças.
A ONU estima que não seria muito caro conseguir saúde e nutrição básica para todos os habitantes do Terceiro Mundo.
Para alcançar essa meta seriam necessários mais 13 bilhões de dólares anuais do que são destinados atualmente, um número que nunca foi conseguido e é exíguo se comparamos com os trilhões que são destinados a publicidade comercial, os 400 bilhões em remédios estupefacientes ou os 8 bilhões que são gastos anualmente nos EUA com cosméticos.
Para a satisfação de Cuba, a Organização das Nações Unidas para a  Alimentação e Agricultura (FAO) também reconheceu que este é o país da América Latina com mais avanços na luta contra a desnutrição.
O Estado cubano garante uma cesta básica alimentícia que permite alimentar sua população ”pelo menos no nível básico¨ através de uma rede de distribuição de produtos.
De igual forma,  se levam a cabo reajustes econômicos em outros mercados e serviços locais para melhorar a alimentação do povo cubano e atenuar o déficit alimentar.
Especialmente se mantém uma vigilância constante  sobre o sustento das crianças e adolescentes. Assim, a atenção  à nutrição começa com a promoção de uma melhor e mais natural alimentação da espécie humana.
Desde os primeiros dias de nascidos os benefícios incalculáveis do aleitamento materno justificam todos os esforços realizados em Cuba a favor da saúde.
Esse esforço permitiu elevar a quantidade de récem-nascidos  que ficam até o quarto mês de vida exclusivamente mamando no peito e continuam consumindo leite materno até os seis meses de vida, complementado com outros alimentos.
Atualmente 99%  dos recem-nascidos deixam a maternidade em lactância materna exclusiva, valor além da meta proposta, que é de 95%. Segundo  dados oficiais, todos os estados do país  cumprem essa meta.
Apesar das difíceis condições econômicas atravessada pela Ilha, se cuida da alimentação e nutrição das crianças de zero a sete anos de idade mediante a entrega de um litro de leite diário a todas.
Alem da entrega de outros alimentos, por exemplo compotas, sucos e hortaliças, que, dependendo da disponibilidade econômica do país, são distribuídos equitativamente.
Até os 13  anos de idade se prioriza a distribuição subsidiada de produtos complementares como iogurte de soja e em situações de desastres  naturais se protegem as crianças mediante a entrega gratuita de alimentos de primeira necessidade.
As crianças incorporadas aos Círculos Infantis  (creches) e às escolas primárias em regime de semi-internado  recebem, além disso, o benefício do esforço contínuo para melhorar sua alimentação com componentes dietéticos lácteos e  protéicos.
Com o apoio da produção agrícola –ainda sob seca severa- e uma maior importação de alimentos, se alcança um consumo de nutrientes acima das normas estabelecidas pela  FAO.
Em Cuba esse indicador não é a média fictícia da soma do consumo de alimentos dos mas ricos com a dos que passam fome.
Adicionalmente, o consumo social inclui a merenda  escolar que se reparte gratuitamente a centenas de milhares de estudantes e  trabalhadores da educação, as quotas especiais de alimentos a crianças de até 15 anos e pessoas de mais de 60 nos estados orientais (parte sul do país).
Nesta lista estão as grávidas, mães amamentando, velhos e inválidos, o suplemento alimentar para  crianças de baixo peso e tamanho e entrega de alimentos a municípios de Pinar del Río, La Habana e Ilha da Juventude.
Estes estados foram afetadas no ano passado por furacões, enquanto os estados de Holguín, Las Tunas e cinco municípios de Camaguey sofrem  atualmente com a seca.
Nesse empenho colabora o Programa Mundial de  Alimentos (PMA), o qual contribui para o melhoramento do estado nutricional  da população mais vulnerável na região oriental, onde são beneficiadas  mais de 631 mil pessoas.
A cooperação do PMA com Cuba data de 1963,  quando essa agência brindou assistência imediata às vítimas do furacão  Flora. Até agora, consumou-se no país cinco projetos de desenvolvimento e 14 operações de emergência.
Recentemente, Cuba passou de país receptor a país doador.
O tema da desnutrição tem grande importância na campanha da ONU para conseguir, em 2015, as Metas de Desenvolvimento do Milênio, adotadas no Encontro de Chefes de Estado e de Governo celebrada em 2000 e que tem entre seus objetivos eliminar a pobreza extrema e a fome até essa data.
Mas, os cubanos afirmam que essas metas não tiram o sono de ninguém, a própria ONU situa o país na vanguarda do cumprimento desses objetivos em matéria de desenvolvimento humano.
Não isenta de deficiências, dificuldades e sérias limitações por um bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos há mais de quatro décadas, Cuba não mostra desesperantes nem alarmantes índices de desnutrição infantil.
Das 146 milhões de crianças menores de cinco anos subnutridas que vivem hoje no mundo, nenhuma é cubana.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

EUA - Declaração de Antonio, Fernando e Ramón

8 de Dezembro de 2009
 
Cinco cubanos prisioneiros nos Estados Unidos

 



Queridos irmãos e irmãs de Cuba e do mundo:
 
Já cumprimos mais de 11 anos presos sem que se tenha feito
justiça em nenhuma das instâncias do sistema judicial estadunidense.
 
Três de nós fomos transferidos a Miami para sermos re-sentenciados
cumprindo uma ordem do Décimo-primeiro Circuito da Corte de Apelações
de Atlanta, que determinou que nossas sentenças foram impostas erroneamente.
 
Nosso irmão Gerardo Hernández, que cumpre pena de duas cadeias perpétuas
mais 15 anos de prisão tem sido arbitrariamente excluído deste
processo de re-sentença. Sua situação continua sendo a principal
injustiça em nosso caso. O Governo dos Estados Unidos conhece a
falsidade das acusações contra ele e o quão injusta é sua condenação.
 
Este é um processo complexo, muito discutido em cada detalhe, no qual participamos junto com nossos advogados. Não cedemos nem um milímetro em
nossos princípios, decoro e honra, defendendo sempre nossa
inocência e a dignidade de nossa Pátria.
 
Assim como no momento de nossa prisão e em outras ocasiões durante esses longos anos, agora, também, temos recebido propostas de colaboração com o Governo dos Estados Unidos em troca de conseguir sentenças mais benevolentes. Uma vez mais rechaçamos tais propostas, algo que jamais aceitaremos sob nenhuma circunstância.
 
Nos resultados destas audiências de re-sentença está presente o trabalho da equipe legal e a indestrutível solidariedade de todos vocês.


 
Como acontecimento significativo o governo dos Estados Unidos, pela primeira
vez depois de 11 anos, se viu obrigado a reconhecer que não causamos nenhum dano a sua segurança nacional.
 
Também pela primeira vez a promotoria reconheceu publicamente a
existência de um forte movimento internacional em apoio a nossa libertação imediata que afeta a imagem do sistema judicial dos
Estados Unidos ante a comunidade internacional.
 
Se confirma mais uma vez o caráter político deste processo.
 
Nos castigam aos Cinco por acusações que nunca foram provadas. Ainda que três sentenças foram reduzidas parcialmente, a injustiça se
mantém com todos.
 
Os terroristas cubano-americanos continuam desfrutando de impunidade total.
 
Reiteramos: Os Cinco somos inocentes!
 
Nos sentimos profundamente comovidos e agradecidos pela permanente
solidariedade que nos brindam, tão decisiva, nesta longa batalha por justiça.
 
Junto a vocês continuaremos até a vitória final, que somente será
conquistada com o regresso dos Cinco à Pátria.
 
Antonio Guerrero
Ramón Labañino
Fernando González
 
Miami, 8 de dezembro de 2009

EUA - Nova sentença em Miami

A juíza federal de Miami, sul dos Estados Unidos, deu nova sentença nesta
terça-feira (8/12) a dois dos cinco lutadores antiterroristas cubanos. Ramón Labañino a 30 anos de prisão enquanto que Fernando González recebeu
uma pena de 17 anos e 9 meses.
 
Ramón havia recebido uma pena inicial de cadeia perpétua mais 18
anos. Fernando tinha uma pena anterior de 19 anos.
 
Segundo informaram os meios de imprensa norte-americanos, a juíza Joan
Lenard aceitou o pedido de redução de pena apresentado pelos
advogados de Ramón após considerar que o castigo a cadeia perpétua
era, na verdade, “indevidamente duro”.
 
Presos desde 1998, os cinco antiterroristas cubanos, Fernando
González, Antonio Guerrero, Gerardo Hernández, René González e Ramón
Labañino, compareceram pela primeira vez em novembro de 2000, ao julgamento frente ao tribunal de Miami presidido pela juíza Joan Lenard.
 
Lenard anunciou a nova sentença para Ramón e Fernando, que, juntamente com os outros três heróis, cumpriram em 12 de setembro passado, 11 anos
de prisão injustificada.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

EUA - Cinco Herois, Comitê Internacional

Milhares de religiosos, líderes sindicais e ativistas pelos direitos humanos participaram de uma comovente vigília na entrada da Escola das Américas (SOA, suas siglas em inglês) no Forte Benning, Georgia em 22 de novembro para pedir o fechamento da mesma. Esta "escola" a qual em 2001 mudararm seu nome para “Instituto do Hemisfério Ocidental para a Cooperação em Segurança” treinou mais de 64.000 militares da América Latina em contrainsurreição, inteligencia militar e técnicas de interrogatório. Luis Posada Carriles, o conhecido terrorista e autor da destruição em pleno vôo de um avião da Cubana de Aviação em 1976 foi treinado nesta Escola dos Assassinos (como é chamada comumente esta escola) em 1961.

Os graduados da SOA, que pertence ao Departamento de Defesa dos EUA., estão envolvimos em violações dos direitos humanos e supressão dos movimentos populares das Américas, mais recentemente em Honduras onde lideraram o golpe de estado contra o Presidente Manuel Zelaya.

Este ano marca o vigésimo aniversário do massacre de seis padres jesuitas mais sua empregada juntamente sua filha adolescente, em El Salvador em 1989. Os responsáveis pelo assassinato foram treinados na Escola militar norte-americana das Américas conforme afirma um grupo de experts do Congresso dos Estados Unidos. Desde então, o grupo de base contra a violência chamado SOA Watch organiza protestos anuais na entrada do Forte Benning, organizando frequentemente atos de desobediência civil. Em 10 anos, o movimento SOA Watch tem tomado uma postura de solidariedade com os povos da América Latina pela mudança na política exterior opressora dos EUA.


Este ano, pela primeira vez, o tema dos Cinco Cubanos foi apresentado a milhares de participantes. Uma mesa com informação no caminho da entrada do Forte Benning atraiu ativistas de todas partes do país, com dois enormes cartazes. Muitas pessoas fizeram fila para assinar petições exigindo o fim das proibições de viajar a Cuba e juntaram seus nomes a cartas demandando o Presidente Obama libertar imediatamente os Cinco Heróis. Além disso levaram cópias de cartas para Hillary Clinton pedindo que ela outorgasse vistos às esposas deles e preencheram cartões  para ser enviados a diferentes meios de comunicação pedindo que cubram a história. Muitos pegaram adesivos, impressos e levaram DVDs sobre o caso para mostrar em suas comunidades. O que mais chamou a atenção foi a curiosidade das pessoas que se aproximaram da mesa e sua vontade em aprender e entender a complexidade da situação deste caso. Muitos se mostraram surpresos de nunca terem ouvido falar de tão grande injustiça e perguntavam: “Que posso fazer?”

Uma oficina em 20 de novembro entitulada, "Terroristas Contra Cuba e Cubanos Contra o Terrorismo: A Conexão  Luis Posada Carriles, a SOA e os Cinco Cubanos"  atraiu uns 70 participantes. A oficina, que foi organizada por  Stan Smith do Comitê pela Liberdade dos Cinco de Chicago e por mim, ocorreu no Centro de Convenções de Columbus, GA. Os participantes levaram consigo a indignação produzida por conhecerem o caso e também ideias de como envolverem-se mais para conseguir a liberdade de Gerardo, Antonio, Rene, Fernando e Ramón.

Na vigília de domingo de manhã, milhares de pessoas permaneceram sob chuva mostrando pequenas cruzes com os nomes de vítimas mortas e desaparecidas nas mãos dos graduados da SOA. Por cerca de três horas, enquanto os nomes eram lidos um a um, as pessoas levantavam as cruzes para o alto e em  uníssono diziam: "Presente!" Este ano, graças a Marilyn McKenna, ex coordenadora da Rede Nacional de Solidariedade com Cuba (NNOC) também foram incluídas cruzes com os  nomes dos integrantes da Equipe Cubana de Esgrima que morreram no ataque terrorista de 1976.

Enquanto levava comigo a cruz com o nome de Julio Herrera Aldama, de 25 anos, um homem ao meu lado levava a de Jesús Méndez Silva, de 30 anos, esportistas da equipe de esgrima, me fez sentir o profundo significado da solidariedade entre o movimento norte-americano e o povo cubano. E, enquanto caminhamos em direção a entrada, para depositar essas pequenas cruzes na cerca, entendi que as generosas ações dos Cinco Cubanos para proteger a ilha de Cuba de ataques terroristas brevemente serão levadas a  luz por pessoas de consciência que levantarão suas vozes pela liberdade dos Cinco.

 



Por Nancy Kohn,
Comitê Internacional pela Liberdade dos Cinco Cubanos
Boston, Massachusetts

 

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

CUBA- Últimas sobre os Cinco

PLANO DE AÇÃO APROVADO NO V COLÓQUIO.


21 de novembro de 2009.


Este V Colóquio em Holguín é especialmente importante pela recusa da Corte Suprema de aceitar o caso em junho deste ano, o processo de nova sentença a Antonio de 13 de outubro com a injusta condenação de 21 anos e 10 meses, a próxima nova sentença em 8 de dezembro a Fernando e Ramón, a imobilidade das injustas condenações a René e Gerardo, cujo caso é o mais difícil e a não concessão de vistos até agora a Adriana e Olga.


Este caso sempre foi político mas, mais do que nunca neste momento, temos necessidade de fazer sentir o peso da denúncia internacional e a solidariedade ante a Administração Obama que tem o poder legal e constitucional para por fim a esta injustiça.


Todos os esforços que realizamos na batalha pela liberdade dos Cinco estão dirigidos a incidir nos EUA onde os grandes meios seguem ignorando o caso. O trabalho dos mais de 300 comitês em mais de 100 países começam a dar seus pequenos frutos. A própria promotoria o reconheceu em Miami ante a nova sentença de Tony: “há um grande ruído internacional ao redor do caso, é necessário melhorar a imagem da justiça dos EUA”.


Nesta direção é necessário estabelecer aqueles aspectos que vamos trabalhar com mais força.


Principais propostas feitas pelos participantes para conseguir a liberdade de Os Cinco:



1- Ampliar os espaços de trabalho
• Seguir instalando o caso e a demanda de solidariedade em todos os Movimentos Sociais e ampliar o espectro político dos setores que levamos nossa mensagem, especialmente governos, parlamentos, organizações religiosas, personalidades, organizações legais, organismos de direitos humanos, sindicatos.
• Propiciar a participação de ativistas pela liberdade dos Cinco no Fórum Social dos Estados Unidos 2010.
• Seguir denunciando com mais força que nunca a mora dúbia do governo dos EUA que mantém presos a Cinco inocentes e ampara, protege e libera a terroristas confessos como Luis Posada Carriles e Orlando Bosch Ávila.


2- Trabalho com Parlamentares
• Vincular o pedido dos parlamentares de cada país aos Congressistas dos EUA.
• Propiciar a visita de ativistas pela liberdade dos Cinco a Congressistas dos EUA e a própria presidenta da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi.
• Propiciar a visita de Parlamentares de outros países aos Cinco nas suas prisões.


3- Trabalho com Sindicatos
• Tentar conseguir que as ações organizadas ou associadas aos sindicatos tenham um impacto nos sindicatos homólogos dos EUA
• Aproveitar o 1 de Maio próximo portando  imagens dos Cinco nas manifestações que se realizem em cada país.


4- Ampliar o uso das novas TIC (Tecnologias da Informática e das Comunicações)
• Aproveitar os espaços que nos brinda a Internet de colocar pequenos vídeos no Youtube com figuras que possam ter impacto nos EUA.
• Melhorar nossos web, boletins e mensagens, aproveitar a possibilidade que nos brinda a criação de Blogs, Facebook e Twitter.
• Conseguir uma maior presença nos grandes meios de comunicação, inclusive a publicação de uma página em algum jornal de tiragem nacional dos EUA.
• Divulgar as páginas
www.antiterroristas.cu e www.cubadebate.cu como centros de referência em idiomas sobre o caso dos Cinco.

5- Recursos culturais
• Dar a conhecer a produção intelectual e a sensibilidade artística dos Cinco.
• Explorar toda manifestação cultural, desde concertos a exposições somando a elas personalidades de relevo internacional e continuar nossos esforços para situar o caso nos meios.


6- Solidariedade
• Milhares de pessoas trabalham no mundo pelo fim do bloqueio genocida contra Cuba, por distintas razões nem todos trabalham pela liberdade dos Cinco. Temos que conseguir que se somem ao trabalho todos aqueles que são solidários com Cuba porque exigir a liberdade dos Cinco é exigir o direito soberano de Cuba a viver em paz.

7- Nobel da Paz para os Cinco



8- Insistir que o governo dos EUA deve outorgar vistos humanitários a Olga Salanueva e Adriana Pérez
• Aproveitar a existência da Comissão Internacional pelo Direito a Visitas Familiares, cujos membros são personalidades de reconhecimento internacional e abarcam 27 países.
• Realizar ações em cada país onde existam membros da Comissão, para a demanda dos vistos e se somem a ela personalidades de países que ainda não a integram. Os pedidos devem estar dirigidos a Barack Obama e outros funcionários do governo dos Estados Unidos.
• Aproveitar datas importantes para as famílias e esposas: Natal e Fim de Ano, 14 de Fevereiro, 8 de Março.


9- Continuar o apoio à batalha legal do caso
• Informar regularmente sobre a evolução do caso.
• Publicar integramente em diferente suporte o conteúdo dos documentos dirigidos à Corte e outros documentos legais públicos.
• Seguir identificando personalidades do setor jurídico que se envolvam na batalha pela liberdade dos Cinco.


10- Trabalho com os governos
• Tentar conseguir pronunciamentos sobre o caso por parte de chefes de estado e outros altos funcionários dos governos.
• Conseguir que chefes de estado se dirijam a Obama pedindo a comutação da condenação dos Cinco.


11- Trabalho com as novas gerações
• Priorizar os professores como multiplicadores da causa dos Cinco.
• Utilizar a obra literária dos Cinco para a aprendizagem de crianças e o fortalecimento de valores éticos e humanos.
• Produzir literatura e outros suportes didáticos com linguagem adequada ao público infantil
• Incorporar o tema dos Cinco como um componente dos projetos comunitários.

Datas Importantes para se ter em conta no próximo semestre:



8 de Dezembro: Nova sentença de Fernando e Ramón
10 de Dezembro: Dia Internacional dos Direitos Humanos
24 e 25 de Dezembro: Natal
31 e 1 de Janeiro: Fim de Ano e 51 Aniversário da Revolução Cubana
14 de Fevereiro: Dia do Amor e Amizade
8 de Março: Dia Internacional da Mulher
1º de Maio: Dia do Trabalho
2º domingo de Maio: Dia das Mães
17 de Junho: Aniversário da Carta Aberta ao povo dos EUA

Ass. Participantes no Colóquio pela Liberdade dos Cinco


 

terça-feira, 17 de novembro de 2009

CE - Homenagem CASA DAS AMÉRICAS

casa-das-americasVENHA PARTICIPAR:

- CICLO DE PALESTRAS, DEBATES, DOCUMENTARIOS E MOSTRA FOTOGRAFICA

LOCAL: CASA JOSE DE ALENCAR

Av. Washington Soares, 6055 - Alagadiço Novo
Fortaleza

DATA: 01 A 04 DE DEZEMBRO

MAIORES INFORMACOES: 3219.5447 / 3081.3942




Nos 4 primeiros dias de dezembro de 2009, a Casa de José de Alencar, em Fortaleza (Ceará) será palco de uma celebração algo incomum em terras brasileiras. Ali será homenageada umas das principais instituições culturais da América Latina na segunda metade do século passado, a Casa das Américas, de Cuba, que cumpre 50 anos de vida e incansável dedicação à cultura em nosso continente. O evento, que tem a iniciativa e curadoria do brasileiro Floriano Martins e do cubano Norberto Codina, ambos poetas e editores, contará com a presença expressiva da quase totalidade da diretoria da instituição cubana. O evento será constituído por uma série de 5 mesas de debate, exibição de documentários e exposição fotográfica. Também estará ao dispor do público uma mostra de livros e revistas produzidos em Cuba nas últimas décadas. A oportunidade, além de singular em termos de homenagem – a leitura política internacional de tudo quanto é tema cubano acabou cegando a percepção em relação à contribuição cultural da Casa das Américas –, permitirá aberta discussão acerca da atuação histórica e perspectiva atual da entidade. O evento, que foi concebido pelos diretores da tradicional revista cubana La Gaceta de Cuba, Norberto Codina, e do Projeto Editorial Banda Hispânica (Floriano Martins), conta com o estímulo valioso da Fundação Bernardo Feitosa, entidade ligada à Casa da Amizade Brasil-Cuba, e da Secretaria da Cultura do Ceará.


 






PROGRAMAÇÃO DO EVENTO


 


01/12 – Terça-feira:


19h00 Inauguração. Palavras do Secretário da Cultura do Estado, seguidas de uma conversa informal entre Secretário e convidados cubanos, com moderação dos curadores.


Abertura da mostra fotográfica, a cargo de Rafael Acosta.


Coquetel com música cubana ambiente programada pela curadoria.


 


02/12 – Quarta-feira:


08h00 às 20h00 – Retrospectiva fotográfica | Mostra e venda de livros e revistas da Casa das Américas.


17h00 – Ciclo de documentários: “A Revolução cubana. Entre a arte e a cultura”, de Rebeca Chávez (57 minutos) | Apresentação: Norberto Codina.


19h00 – Conferência de Jorge Fornet: “50 anos de Fundação Casa das Américas” | Debatedores: Yolanda Wood, Maité Hernández-Lorenzo e Roberto Zurbano | Mediação: Floriano Martins.


 


03/12 – Quinta-feira:


08h00 às 20h00 – Retrospectiva fotográfica | Mostra e venda de livros e revistas da Casa das Américas.


17h00 – Ciclo de documentários: Por primera vez”, de Octavio Cortázar (10 minutos) | El son me salió redondo(sobre Nicolás Guillén), de Pury Faget (56 minutos) | Apresentação: Maité Hernández-Lorenzo.


19h00 – Conferência de Yolanda Wood: “Guillén y el Caribe” | Debatedor: Norberto Codina | Mediação: Floriano Martins.


 


04/12 – Sexta-feira:


08h00 às 20h00 – Retrospectiva fotográfica | Mostra e venda de livros e revistas da Casa das Américas.


17h00 – Ciclo de documentários: “Yo soy del son a la salsa”, de Rigoberto López (100 minutos) | Apresentação: Roberto Zurbano.


19h00 – Debate: “As revistas da Fundação Casa das Américas (Anales del Caribe, Casa de las Américas, Conjunto, Boletín Música) y otras revistas cubanas (Arte Cubano, La Gaceta de Cuba)” | Convidados: Jorge Fornet, Yolanda Wood, Maité Hernández-Lorenzo, Roberto Zurbano e Rafael Acosta | Mediação: Norberto Codina e Floriano Martins.


21h00 – Encerramento. Palavras finais do Secretário da Cultura do Estado.


 






 1 | INSTITUIÇÃO HOMENAGEADA


CASA DAS AMÉRICAS


Principal instituição cubana ligada à cultura, a Casa das Américas foi criada em 1959 por Haydée Santamaría e é atualmente presidida por Roberto Fernández Retamar. Ao longo de sua trajetória tem cumprido de maneira digna a múltipla função de divulgação, incentivo, auspício, premiação e publicação de escritores, artistas plásticos, músicos, gente de teatro e estudiosos da literatura e das artes, primando pelo fomento ao intercâmbio entre instituições e pessoas em geral em todo o mundo.


 


2 | CONVIDADOS


MAITÉ HERNÁNDEZ-LORENZO


Havana, 1970. Jornalista e crítica teatral. Diretora de Comunicação e Imagem da Casa das Américas, responsável por suas campanhas de promoção de eventos e projetos culturais. Também para esta instituição dirige o portal informativo La Ventana. Prêmio Nacional de Jornalismo Cultural (1998).


 


ROBERTO ZURBANO


Havana, 1965. Ensaísta e crítico cultural. Prêmio Nacional de Jornalismo Cultural em duas ocasiões. Dirige a revista Movimiento, dedicada à cultura Hip Hop, e o Fundo Editorial Casa das Américas.


 


YOLANDA WOOD


Havana, 1950. Crítica e pesquisadora. Diretora do Centro de Estudos do Caribe da Casa das Américas. Dentre seus livros encontram-se De la plástica cubana y caribeña, Artistas del Caribe hispano en Nueva York, Las Artes plásticas del Caribe, praxis y contexto y Proyectos de artistas cubanos en los años ‘30.


 


RAFAEL ACOSTA DE ARRIBA


Havana, 1953. Poeta, ensaísta e crítico de artes. Foi diretor do Festival Internacional do Novo Cinema Latino-americana, em Cuba. Presidiu o Conselho Nacional das Artes Plásticas. Atualmente é pesquisador titular do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Cultura Cubana.


 


JORGE FORNET


Bayamo, 1963. Poeta e ensaísta. Coordenador do Prêmio Literário Casa das Américas, instituição na qual é também diretor de seu Centro de Pesquisas Literárias. Prêmio Alejo Carpentier de Ensaio (2006).


 


3 | CURADORES


FLORIANO MARTINS


Fortaleza, 1957. Poeta, ensaísta, tradutor e editor. Diretor do Projeto Editorial Banda Hispânica. Professor convidado da Universidade de Cincinatti (Ohio, Estados Unidos). Curador da Bienal Internacional do Livro do Ceará (2008-2010).


 


NORBERTO CODINA


Caracas, 1951. Poeta, jornalista e editor. Dirige há mais de 20 anos a revista de arte e literatura La Gaceta de Cuba. Prêmio Nacional de Jornalismo Cultura (2002). Além de sua própria poesia, tem se destacado como organizador de inúmeras antologias da poesia cubana no exterior. Membro do Latin American Studies Associaton (LASA).


 






sexta-feira, 13 de novembro de 2009

RS - Seminário 19/11

A Associação Cultural José Martí – RS convida para mais uma etapa do Seminário Comemorativo aos 50 anos da Revolução Cubana, no dia 19 de novembro, às 19 horas, na Galeria do Malcon, 16º andar.


          










Novembro


19/11/09



CUBA HOJE: O RESGATE DO HUMANISMO MARXIANO


Ruth Ignácio, Socióloga- Prof.ª  PUC – Conselheira da ACJM


terça-feira, 10 de novembro de 2009

ES - Convite 20/11

CONVITE


Associação de Mulheres para Intercâmbio Cultural na América Latina e Caribe “Leonor Perez” de Muqui – AMICAL - Convida para a Solenidade Plantio do “Jequitibá Rosa” – Símbolo da entidade.


Dia 20 de novembro 2009


19: 30 – Concentração das mulheres na Praça Salim Balmas (jardim Central) recepcionadas pela  Lira de Ouro 24 junho


20:00 – Fala das autoridades


Homenagens: Patrona “Leonor Perez”


                             “Jequetibá Rosa” porquê esse símbolo?


                              “Mulher não Chora! Luta.”...


20:30 – Cerimônia do Plantio do “Jequitibá Rosa”


21:00 – Show Pirotécnico


Desfile da “vaca Mocha”


23:00 – Grito de Carnaval com Lira de Ouro 24 junho no Centro Cívico Municipal.


 


 

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Hasta siempre Carmen

Carmen Nordelo,  mãe de nosso querido Gerardo, faleceu em 2 de novembro. Gerardo o caçula de seus filhos e único homem, não pôde dela se despedir. A injusta prisão que padece não lhe permitiu acompanhá-la fisicamente nesses anos de dura enfermidade, nem dar-lhe o último beijo, nem chorar junto aos seus, nem tomar as mãos de sua esposa Adriana quando mais necessita um ser humano. 


 


Várias oferendas de belíssimas flores em nome de Fidel, Raúl e do Povo de Cuba prestaram homenagem a Carmen Nordelo Tejera, quem por sua vida exemplar, abnegação e batalhar pela libertação de Gerardo e seus quatro companheiros de causa recebeu das mãos de Fidel a mais alta distinção que o Estado cubano concede, a Ordem Mariana Grajales.  


 


Uma bandeira cubana e um ramo de rosas vermelhas de Gerardo e Adriana cobriram o pequeno corpo de Carmen, sintetizando nelas todos os beijos, toda a ternura e todos os abraços que este Herói da República de Cuba teria desejado dar a sua mãe.


 


Não vamos negar a dor e as lágrimas com que nos despedimos hoje de Carmen e a profunda indignação de todo um povo ao tomar conhecimento, quase ao mesmo tempo, que enquanto Gerardo perdia sua mãe estando em absoluta solidão na distante prisão de Victorville, em Miami celebravam a libertação do terrorista Santiago Alvarez, testa de ferro e protetor do criminoso internacional Posada Carriles. 


 


Os Estados Unidos já provocaram demasiado dano às mães desses filhos digníssimos que sem uma única arma arriscaram suas vidas para salvar as nossas. 


  


Uma vez mais é Gerardo em sua grandeza infinita e sua nobreza quem se levanta para ajudar-nos e sobrepassar esta hora triste e amarga para todos os que nos sentimos parte da grande família dos Cinco.


 


Gerardo nos pede que agradeçamos em seu nome e de sua família a todo o povo cubano e os amigos solidários que de distintas partes do mundo tem enviado mensagens, acompanhando-os nesta hora de dor.


 


É ele quem nos abraça e nos anima a seguir lutando mais que nunca até que os  Cinco regressem a sua Pátria e suas queridas famílias.


 


Até sempre, querida e doce Carmen, teu sorriso estará no de Gerardo. Vamos lutar sem descanso para desmascarar a mentira e trazê-los de regresso a esta querida Pátria que fizeste tua.


 


Obrigado por ter trazido à vida um ser humano como ele.


 


 


 


 


 


 Poema de Gerardo a sua mãe  


 


Anhelo  


 


Te escribiré un poema que alcance el universo,


y aún temo sea pequeño para alabar tu amor,


llevará mil palabras apreciando tus besos,


aquellos que sanaron mis llagas de dolor.  


 


Intentaré expresarte cuanto amor te profeso,


amor que me ilumina y protege la razón,


y cómo por el mundo cabalgo siempre ileso,


pues parte de mi vida está en tu corazón.  


 


Te diré cuánto aprecio tus años de desvelo,


tu silencio infinito y tu inmenso valor,


y sabrás como ansio regresar a tu suelo,


renacer en tus brazos y sentir tu calor.  


 


Te ha de llegar con lágrimas de pasión y Alegría


porque oculto en mi pecho aguardará el regreso,


y cuánto yo quisiera mientras llega ese día,


que tú pudieras, Madre, leer estos versos.  


 


Gerardo Hernandez Nordelo, 15 de fevereiro de 1999, dia do aniversário de sua mãe.


 


Comitê Internacional pela Libertação dos Cinco Cubanos

terça-feira, 3 de novembro de 2009

BR - Reunião das Entidades de Solidariedade

Será dia 05 de Dezembro de 2009, a partir das 9h até às 17h. Local: Consulado Geral de Cuba em São Paulo. Rua Cardoso de Almeida , nº 2115,  Bairro Sumaré, São Paulo/SP.  Telefone 11 38732800  .

A  reunião será para discutirmos a proposta de programação do  RS , para a XVIII Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba , no período de 21 a 24 de  abril de 2010 , em Porto Alegre, RS.

Pela libertação dos cinco heróis cubanos presos injustamente pelos EUA.
Pelo fim do bloqueio dos EUA  à Ilha de Cuba.
Viva a autodeterminação e a integração dos povos

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

VITÓRIA CUBANA NA ONU

Nações Unidas, 28 outubro (PL) (RHC).-
 

 A Assembleia Geral das Nações Unidas reiterou hoje pelo décimo-oitavo ano consecutivo sua condenação ao bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba e exigiu seu imediato levantamento.

 O repúdio foi expressado pelos 187 votos a favor e tres contra (Estados Unidos, Israel e Palau) obtidos por uma resolução com o título "Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos contra Cuba". Houve duas abstenções.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

SC - Denúncia Pública

Florianópolis, 21 de outubro de 2009.


 


 


DENÚNCIA PÚBLICA – BLOGUEIRA YOANI SANCHEZ INSTRUMENTO DA MIDIA GOLPISTA E IMPERIALISTA


 


 


            A Associação Cultural José Marti de Santa Catarina, vem a público denunciar a campanha midiática levada a cabo pelos grandes meios de comunicação contra a Revolução Cubana, suas conquistas, nestes 50 anos, e, seu povo. O crime cometido por Cuba foi o de se afirmar como nação soberana, auto-determinada e solidária com os povos desta grande humanidade.


 


            Nestes momentos, os meios de “informação” (a expressão mais correta é desinformação) dão páginas e páginas para a blogueira cubana Yoani Sanchez difundir suas mentiras e atacar seu povo e seu país, desde o próprio território cubano.


 


            As mentiras difundidas por ela são as mesmas que há décadas o imperialismo estadunidense e seus aliados e capachos, nos diferentes países e nos grandes meios de desinformação, se utilizam para detratar a realidade cubana e a magnífica obra construída pelos mais de 12 milhões de habitantes da maior das Antilhas.


 


            A primeira mentira que cai por terra se relaciona à liberdade de expressão, visto que esta senhora vive em Cuba e posta as “suas opiniões” (entre aspas por que não são nada originais) desde Cuba.


 


            O bloqueio econômico contra Cuba atinge todas as esferas da vida, inclusive com relação à internet. Mas a blogueira em vez de denunciar este bloqueio criminoso que persiste há quase 50 anos, culpa seu país e seu povo pelas conseqüências, pois ela nutre o sonho de fazer voltar a roda da história, sonha com o seu país como colônia norte—americana, submisso, prostituído, analfabeto, com a máfia dominando a vida social. É um sonho vão, pois o povo cubano trilha seu caminho pelos ideais de seus heróis que tombaram na luta pela independência e pela libertação nacional, pelos ideais de Marti, de Camilo Cienfuegos, Ernesto Che Guevara e, pelos heróis vivos, em particular Fidel Castro. Homens que construíram e constroem um projeto assentado no ser humano e na humanização da vida.


 


            São imensuráveis as conquistas da Revolução Cubana em todos os aspectos da vida social do seu povo. Uma nação submissa com um povo espezinhado pelo imperialismo no final dos anos 50, se transformou em um exemplo para toda a humanidade de que é possível construir um mundo melhor baseado em valores autenticamente humanos no qual governa a satisfação das necessidades básicas e não as vis leis do mercado que submetem, subjugam, matam e agridem povos e nações inteiras em nome de um desenvolvimento e da riqueza para poucos.


 


            Apesar da falta de recursos e do criminoso bloqueio, Cuba, há muito tempo, é um exemplo na solidariedade aos povos da humanidade. Médicos cubanos estão em quase cem países prestando seus serviços aos mais humildes e necessitados. O povo cubano através de seu governo prestou ajuda humanitária em grandes catástrofes e terremotos, em vários países. Em Cuba estudam jovens de várias nacionalidades, inclusive brasileiros, que gratuitamente podem ter acesso ao ensino universitário, que por muitas vezes não teriam em seus países.


 


            Somos, eternamente, gratos a Cuba e seu povo, por nos ter brindado com vagas para que jovens de nosso estado e país possam cursar medicina em Cuba. Sonho quase inatingível para quem provém das camadas mais humildes do nosso povo.


 


            Somos eternamente gratos a Cuba por ser uma referência, por seu exemplo, por sua obra, por seu povo.


 


            Denunciamos e repudiamos o papel desempenhado pela nossa grande mídia sempre disposta a defender as piores causas, os golpes de estado, as manobras das elites, as agressões aos povos. A mesma grande mídia que hoje transforma em heroína a blogueira Yoani Sanchez. A mesma grande mídia que a cada vitória de um povo latino-americano está na linha de frente para defender os interesses do imperialismo norte-americano.


 


            Assim foi e assim continua sendo, a grande mídia está do lado dos perdedores, está do lado do imperialismo. Com toda certeza os povos derrotarão o imperialismo e a grande mídia continuará a lamentar qualquer vitória popular, continuará a lamentar as vitórias dos povos de El Salvador, Nicarágua, Venezuela, Bolívia, Equador. Continuará a lamentar qualquer avanço no terreno político que nossos conquistem. Cada vez mais lamentarão.


 


            A nós nos resta defender a verdade, o direito dos povos construírem seus rumos com soberania a auto-determinação, zelando pelos valores autenticamente humanos e solidarizando-se com qualquer povo agredido.


 


            Ao final, e estranhamente, agradecemos aos grandes meios de comunicação que tão zelosos em sua vil tarefa de desinformar e transformar bandidos em heróis, nos ensina com seus exemplos como não devemos ser, como não devemos agir. Não deixa de ser um contra-exemplo.


 


            Cuba continua cada vez mais merecendo e angariando o carinho e a solidariedade dos povos. Cada vez mais se criam, nos cinco continentes, comitês e associações de solidariedade a Cuba que dinamizam as relações, que fazem intercâmbios e troca de experiências. Nossos povos se conhecem mutuamente e crescem os laços de solidariedade


 


            Reafirmamos nosso compromisso na defesa dos povos, em especial de Cuba e seu povo.


 


            Viva a Revolução Cubana!


 


            Viva Fidel!


 


 


 


 


 


 


                                                           Diretoria da ACJM-SC






ACJM-SC – Associação Cultural José Martí de Santa Catarina


Caixa Postal 27


88010-970 – Florianópolis – SC




CNPJ 00.074.248/0001-05


Fones (48) 3025-2991 e 9946-9441





 

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

RS - 22/10 Seminário Comemorativo

A Associação Cultural José Martí – RS convida para mais uma etapa do Seminário Comemorativo aos 50 anos da Revolução Cubana, no dia 22 de outubro, às 19 horas, na Galeria do Malcon, 16º andar.



















































Mês



Atividade



Março


26/03/09



A história de Cuba: a luta pela independência e a construção da “cubanicidade”


Prof.ª Ruth Inácio



Abril


16/04/09



A Revolução de 1959: condições econômicas, políticas, ideológicas e culturais.


Marajuara Azambuja



Maio


21/05/09



O desenrolar do processo revolucionário e o projeto de desenvolvimento de Che.


Antonio Prado, sociólogo.



Junho


18/06/09



A mão dura do burocratismo Soviético e o silêncio do humanismo marxiano: as décadas de 1970 e 1980.


Prof.ª Ruth Inácio



Julho


16/07/09



O Período Especial: o fim do Bloco Soviético e a situação de Cuba.


Prof. Henrique Padrós



Agosto


20/08/09



O papel dos EUA na história cubana: o caso específico pós 1959.


Prof.ª Regina Curtis



Setembro


17/09/09



A democracia Cubana: Todo o poder à Assembléia Popular


Gabriela Guedes



Outubro


22/10/09



A Constituição cubana


Ronald Dutra



Novembro


19/11/09



Cuba, hoje: o resgate do Humanismo Marxiano.


Prof.ª Ruth Ignácio



Dezembro


17/12/09



O retorno aos princípios fundamentais do Socialismo Científico.


Prof.ª Ruth Ignácio