quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Hasta siempre Carmen

Carmen Nordelo,  mãe de nosso querido Gerardo, faleceu em 2 de novembro. Gerardo o caçula de seus filhos e único homem, não pôde dela se despedir. A injusta prisão que padece não lhe permitiu acompanhá-la fisicamente nesses anos de dura enfermidade, nem dar-lhe o último beijo, nem chorar junto aos seus, nem tomar as mãos de sua esposa Adriana quando mais necessita um ser humano. 


 


Várias oferendas de belíssimas flores em nome de Fidel, Raúl e do Povo de Cuba prestaram homenagem a Carmen Nordelo Tejera, quem por sua vida exemplar, abnegação e batalhar pela libertação de Gerardo e seus quatro companheiros de causa recebeu das mãos de Fidel a mais alta distinção que o Estado cubano concede, a Ordem Mariana Grajales.  


 


Uma bandeira cubana e um ramo de rosas vermelhas de Gerardo e Adriana cobriram o pequeno corpo de Carmen, sintetizando nelas todos os beijos, toda a ternura e todos os abraços que este Herói da República de Cuba teria desejado dar a sua mãe.


 


Não vamos negar a dor e as lágrimas com que nos despedimos hoje de Carmen e a profunda indignação de todo um povo ao tomar conhecimento, quase ao mesmo tempo, que enquanto Gerardo perdia sua mãe estando em absoluta solidão na distante prisão de Victorville, em Miami celebravam a libertação do terrorista Santiago Alvarez, testa de ferro e protetor do criminoso internacional Posada Carriles. 


 


Os Estados Unidos já provocaram demasiado dano às mães desses filhos digníssimos que sem uma única arma arriscaram suas vidas para salvar as nossas. 


  


Uma vez mais é Gerardo em sua grandeza infinita e sua nobreza quem se levanta para ajudar-nos e sobrepassar esta hora triste e amarga para todos os que nos sentimos parte da grande família dos Cinco.


 


Gerardo nos pede que agradeçamos em seu nome e de sua família a todo o povo cubano e os amigos solidários que de distintas partes do mundo tem enviado mensagens, acompanhando-os nesta hora de dor.


 


É ele quem nos abraça e nos anima a seguir lutando mais que nunca até que os  Cinco regressem a sua Pátria e suas queridas famílias.


 


Até sempre, querida e doce Carmen, teu sorriso estará no de Gerardo. Vamos lutar sem descanso para desmascarar a mentira e trazê-los de regresso a esta querida Pátria que fizeste tua.


 


Obrigado por ter trazido à vida um ser humano como ele.


 


 


 


 


 


 Poema de Gerardo a sua mãe  


 


Anhelo  


 


Te escribiré un poema que alcance el universo,


y aún temo sea pequeño para alabar tu amor,


llevará mil palabras apreciando tus besos,


aquellos que sanaron mis llagas de dolor.  


 


Intentaré expresarte cuanto amor te profeso,


amor que me ilumina y protege la razón,


y cómo por el mundo cabalgo siempre ileso,


pues parte de mi vida está en tu corazón.  


 


Te diré cuánto aprecio tus años de desvelo,


tu silencio infinito y tu inmenso valor,


y sabrás como ansio regresar a tu suelo,


renacer en tus brazos y sentir tu calor.  


 


Te ha de llegar con lágrimas de pasión y Alegría


porque oculto en mi pecho aguardará el regreso,


y cuánto yo quisiera mientras llega ese día,


que tú pudieras, Madre, leer estos versos.  


 


Gerardo Hernandez Nordelo, 15 de fevereiro de 1999, dia do aniversário de sua mãe.


 


Comitê Internacional pela Libertação dos Cinco Cubanos

Nenhum comentário:

Postar um comentário