quarta-feira, 2 de maio de 2012

Trabalhadores desfilam pelo 1º de maio em Cuba‎ exaltando o socialismo

Participaram o presidente Raul Castro e dirigentes do PC, do Estado, do governo e de organizações políticas e sociais

Via Opera Mundi e fotos Cubadebate

Centenas de milhares de trabalhadores e estudantes desfilaram neste 1º de maio em Havana com as cores da bandeira cubana pelo Dia Internacional dos Trabalhadores, tendo o socialismo como norte. Uma enorme faixa com a palavra de ordem “Preservar e aperfeiçoar o socialismo” liderou a marcha popular na esplanada da Praça da Revolução José Martí, da qual participaram o presidente Raul Castro e dirigentes operários do Partido Comunista, do Estado, do governo e de organizações políticas e sociais.

Em discurso, o ministro do Trabalho Salvador Valdes pediu aos trabalhadores cubanos que “continuem a trabalhar de forma ordenada, com disciplina e diligência”, enquanto o país passa por transformações. Os cubanos enfrentam amplas reformas que têm como objetivo impedir o colapso do sistema de planificação central, mas que não chegam ao ponto de transformar o país numa verdadeira economia de mercado.

O desfile iniciado às 7h29 (8h29 de Brasília) foi liderado por um bloco de trabalhadores da saúde em Havana, setor emblemático da cooperação internacional cubana, presente atualmente em 66 países. Vários participantes portavam as bandeiras das nações nas quais trabalham brigadas médicas cubanas, representadas em todos os continentes.

Bandeiras cubanas gigantes, cartazes referentes à celebração e as cores azul, vermelho e branco são os principais símbolos da manifestação, realizada simultaneamente em outras cidades do país. Agrupados em 23 blocos, membros dos sindicatos, muitos deles com símbolos de suas respectivas áreas (como bonecos representando enfermeiras, táxis, computadores e pás) marcharam diante do monumento ao herói nacional cubano José Martí.

Os manifestantes levavam fotografias do líder da Revolução Cubana, Fidel Castro, e de revolucionários mundiais como Karl Marx e Vladimir Ilitch Lênin. Foram predominantes os cartazes com as imagens dos Cinco Patriotas antiterroristas Gerardo Hernandez, Ramón Labañino, Antônio Guerrero, Fernando Gonzalez e René Gonzalez, presos há mais de 14 anos nos Estados Unidos, bem como a exigência de sua liberdade e de seu imediato regresso ao país.


Por quase uma hora e meia, os participantes gritaram palavras de ordem em apoio à Revolução, ao socialismo e à liderança de Fidel Castro e Raul Castro. Cerca de 1.900 dirigentes sindicais de 209 organizações de 117 países presentes nos festejos estavam posicionados na tribuna, assistindo ao desfile de centenas de milhares de havanenses representando toda a população cubana.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Dilma defende Cuba em reunião com Obama

No encontro que terá na segunda-feira, dia 9, com Obama, presidente avisará que próxima Cúpula das Américas ‘será a última’ sem o país caribenho.


Na conversa reservada que terá na segunda-feira, dia 9, com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na Casa Branca, a presidente Dilma Rousseff marcará posição em defesa de Cuba. Em um jogo combinado com outros países do continente, Dilma avisará que “esta será a última Cúpula das Américas sem a participação de Cuba” porque, caso a situação não mude, o próximo encontro, em 2016, ficará completamente esvaziado.

A 6ª Cúpula das Américas ocorrerá na cidade colombiana de Cartagena de Índias, nos dias 14 e 15, pouco depois de Dilma voltar da viagem aos EUA. Sob bloqueio econômico norte-americano, Cuba foi, mais uma vez, excluída da reunião continental. Em sinal de protesto, o presidente do Equador, Rafael Correa, já anunciou que não participará do encontro na Colômbia.

Na conversa com Obama, Dilma pretende antecipar a posição unificada que o Brasil e outros países do bloco mais alinhado à esquerda pretendem levar à Cúpula das Américas. Pelo roteiro acertado até agora, os governantes de 12 dos 34 países convidados para o convescote de Cartagena farão declarações de repúdio à falta de assento para Cuba no evento.

Na prática, Dilma quer arrancar de Obama, neste ano de eleições presidenciais nos Estados Unidos, o compromisso político de que o governo estadunidense vai restabelecer relações com a ilha governada por Raul Castro, irmão e sucessor de Fidel Castro no comando do país. Obama é candidato a um segundo mandato pelo Partido Democrata. Os comentários de Dilma, porém, devem ser feitos na conversa a portas fechadas, e não na declaração ao lado de Obama, na Casa Branca. Dilma não tem intenção de pôr Obama numa saia-justa.

Quando visitou Havana, em janeiro, Dilma criticou os EUA e disse não ser possível fazer da questão dos direitos humanos uma “arma” de combate político-ideológico. “Se vamos falar de direitos humanos, nós começaremos a falar de direitos humanos no Brasil, nos Estados Unidos e a respeito de uma base aqui chamada Guantânamo”, afirmou Dilma, na ocasião, numa referência à prisão mantida pelo governo anorte-mericano na Ilha.

Dilma também ouviu apelos de empresários para questionar Obama sobre a constitucionalidade de uma lei aprovada na Flórida que pune empresas com relações comerciais com Cuba. Pela nova lei, companhias com negócios na ilha não podem ter grandes empreendimentos na Flórida. A retaliação atinge em cheio as empreiteiras brasileiras, como a Odebrecht, que toca a obra do Porto de Mariel, em Cuba. Trata-se do principal empreendimento de infraestrutura realizado atualmente ali, com financiamento de US$683 milhões do governo brasileiro – 85% do valor total.

Depois que a lei foi aprovada no Congresso da Flórida, Dilma recebeu várias reclamações de empresários que mantêm negócios tanto nos EUA quanto em Cuba. Eles querem que Dilma pergunte a Obama até que ponto o Estado pode legislar sobre questões de relações internacionais.

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Beto Almeida recebe distinção da União dos Periodistas de Cuba


A União dos Periodistas de Cuba (Upec) conferiu ao jornalista Carlos Alberto Almeida – que assina suas matérias como Beto Almeida –, a Distinção Félix Emulza, no dia 12 de março.

Segundo o presidente da Upec, Tubal Páez Hernández, o prêmio foi concedido a Beto por “seu aporte ao periodismo e à comunicação latino-americanos, e por sua identificação e defesa solidária a Cuba”. A Upec informa que a mesma distinção foi conferida no dia 6 a profissionais do setor jornalístico e personalidades da cultura e da ciência.

“A Distinção Félix Elmuza foi criada pelo Conselho de Estado da República de Cuba, em 10 de dezembro de 1979, e é a maior condecoração concedida a periodistas nacionais ou estrangeiros por méritos relevantes no exercício da profissão”, diz Tubal.

Ele destaca que Félix Elmuza foi um destacado periodista cubano que integrou o grupo de guerrilheiros vindos a bordo do Granma. Elmuza morreu dias depois do desembarque, em desembarque, em dezembro de 1956.

sábado, 31 de março de 2012

Em maio, será realizada a 20ª Convenção de Solidariedade a Cuba em Salvador (BA)


Acontecerá de 24 a 27 de maio, em Salvador (BA), a 20ª Convenção de Solidariedade a Cuba. Na abertura, que será realizada no Centro de Convenções da Bahia, haverá uma caminhada pelas praias do Porto e do Farol da Barra pela libertação imediata dos 5 heróis cubanos que estão presos injustamente nos Estados Unidos.

A agenda completa do evento, bem como as atividades culturais no Pelourinho e na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, está no blog oficial do evento: Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba.

A organização do evento conclama a todos a se empenhar para realizar suas convenções estaduais e trazer o maior número possível de delegados. Haverá 100 vagas para hospedagem solidária prioritariamente para estudantes com maiores dificuldades financeiras, sem a necessidade de trazer colchonete, roupas de cama e banho. Posteriormente, será divulgada a quantidade de vagas para cada Estado.

Todos em Salvador.

Todos na 20ª Convenção de Solidariedade a Cuba.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Inscrições abertas para a 6ª Brigada Internacional 1º de Maio – Cuba 2012

De 25 de abril a 6 de maio, acontecerá a 6ª Brigada Internacional 1° de Maio, que irá a Cuba para participar de jornadas de trabalho voluntário e para ter melhor compreensão da realidade cubana. Esta brigada é dedicada ao 40º aniversário da fundação do Cijam – Acampamento Julio Antonio Mella e participará do desfile do Dia Internacional dos Trabalhadores, que acontece na Praça da Revolução. Os interessados podem se inscrever até 30 de março. A seguir, o programa.


PROGRAMA


Data


22 de abril a 6 de maio de 2012


Objetivos


Possibilitar a maior compreensão da realidade cubana e realização de jornadas de trabalho voluntário.


Atividades


Visitas a lugares de interesses históricos, econômicos, cultural e social na capital e na província; conferências sobre atualidade nacional e encontros com organizações da sociedade cubana e trabalho no campo.


Locais de visita


Havana, Artemisa e Pinar del Rio


Custos e hospedagem


São 14 noites sendo dez noites no Cijam, localizado em Caimito a 45 km de Havana e quatro noites em Pinar del Rio.


Preço: 295 CUC + 25 CUC (taxa de embarque na volta) = 320 CUC aproximadamente 260 euros a serem pagos em Cuba, equivalente a cerca de R$650,00 a R$700,00. Deve-se fazer o câmbio em euros ou dólares no aeroporto de Havana por CUC.


Incluem: alojamento (quartos com seis pessoas no Cijam) e Hotel na Província, alimentação completa, traslado de ida e volta do aeroporto, transporte para todas as atividades e visitas a museus.


Passagem: pode adquirida em qualquer agência ou companhia aérea.


Dicas: a Copa Airlines tem voos para Cuba via Panamá, saindo de Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Manaus.


Adquirindo a passagem pela Copa Airlines (Belo Horizonte–Panamá–Havana) junto à Associação Cultural José Martí/MG, o interessado terá 10% de desconto, sendo 5% para a pessoa e 5% para ACJM/MG. Na tarifa econômica, sai US$932,00 (se comprar com antecedência) + R$69,00 (taxa de embarque) e R$90,00 (ACJM/MG referente ao 5% de desconto).


Como exemplo, em 20 de janeiro de 2012, a passagem pela Copa Airlines custava R$1.645,00 (parcelada em cinco vezes no cartão de crédito) + R$69.00 (taxa de embarque) + R$90,00 (ACJM/MG) = R$1.804,00. É importante lembrar, que este valor varia de acordo com a cotação do dólar e tarifa da passagem.


Outra opção é a Cubana Aviacion via Caracas, saído de São Paulo. Consulte uma agência para obter mais detalhes.


Documentação


Passaporte válido, cartão internacional de vacina de febre amarela e seguro viagem.


O visto de entrada é comprado no momento do embarque na própria Copa Airlines por US$25,00, pagos em reais pela cotação do dia


Informações e inscrições


As inscrições se encerrarão em 30 de março e poderão ser feitas com Telma Araújo, brigadista do Movimento de Solidariedade a Cuba, pelo correio eletrônico telma.araujo25@gmail.com ou pelos telefones (31) 3261-5148; (31) 8828-9288 (operadora Oi); (31) 9176-3263 (operadora Tim); ou, ainda, diretamente no ICAP.


O brigadista deve se comprometer a cumprir toda a programação e observar as normas de conduta, disciplina e convivência social.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Dilma defende parceria estratégica e duradoura entre Brasil e Cuba

Via Blog do Planalto


A presidenta Dilma Rousseff desembarcou no Aeroporto Internacional José Martí, de Havana, na segunda-feira, dia 30, para sua primeira visita oficial à Cuba na condição de chefe de Estado. Segundo o Ministério das Relações Exteriores brasileiro, a visita contribuirá para aprofundar o crescente diálogo e cooperação no relacionamento bilateral, com ênfase na agenda econômica, que experimentou crescimento importante e grande diversificação nos últimos anos. O comércio bilateral entre Brasil e Cuba registrou valor recorde em 2011, totalizando US$642 milhões (31% a mais que 2010). Fazem parte da comitiva presidencial os ministros Antônio Patriota (Relações Exteriores), Fernando Pimentel (Desenvolvimento), Alexandre Padilha (Saúde) e assessor de assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia.


A presidenta Dilma Rousseff defendeu na terça-feira, dia 31, uma parceria “estratégica e duradoura” para acelerar o desenvolvimento cubano. Em entrevista coletiva após visita ao Memorial de José Martí, na Praça da Revolução, a presidenta citou os investimentos brasileiros no Porto de Mariel e o financiamento da produção por meio do Programa Mais Alimentos.


Além da cooperação econômica, a presidenta Dilma falou ainda sobre direitos humanos, tema que, segundo ela, deve ser discutido dentro de uma “perspectiva multilateral”.


“Não é possível fazer da política de direitos humanos só uma arma de combate político-ideológico. O mundo precisa se convencer de que é algo que todos os países do mundo têm de se responsabilizar, inclusive o nosso. Quem atira a primeira pedra tem telhado de vidro. Nós, no Brasil, temos os nossos. Então, eu concordo em falar de direitos humanos dentro de uma perspectiva multilateral. Acho que esse é um compromisso de todos os povos civilizados. Há, necessariamente, muitos aspectos a serem considerados. De fato, é algo que nós temos de melhorar no mundo, de maneira geral. Nós não podemos achar que direitos humanos são uma pedra que você joga só de um lado para o outro. Ela serve para nós também.”


Agenda


A presidenta Dilma Rousseff participou de cerimônia de oferenda floral ao monumento de José Martí na Praça da Revolução. Após visita ao Memorial, ocorreu a cerimônia oficial de boas-vindas. Logo após, Dilma se reuniu com o presidente de Cuba, Raul Castro, onde foram assinadas várias parcerias entre Brasil e Cuba para aprofundar a cooperação bilateral nas áreas técnica, científica e tecnológica, sobretudo nas áreas de agricultura, segurança alimentar, saúde e produção de medicamentos.


O presidente Raul Castro ofereceu almoço em homenagem à presidenta Dilma no Salão de Protocolo de Cubanacán e, em seguida, visitaram as obras do Porto de Mariel executadas por empresa brasileira. Trata-se de projeto estratégico para o aumento do intercâmbio comercial de Cuba. Cerca de 80% do montante necessário à ampliação conta com financiamento brasileiro, no valor total de US$683 milhões.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Em Cuba, presidente do Irã se reúne com Fidel e Raul

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse na quinta-feira, dia 12, que se alegrou em ver o líder cubano Fidel Castro bem de saúde, após se reunir com ele durante uma breve visita à Ilha, em um período de tensão com o Ocidente por causa do programa nuclear do país islâmico.

O presidente cubano, Raul Castro, foi até o Aeroporto Internacional José Martí, de Havana, despedir-se de Ahmadinejad, que seguia para o Equador. Nos encontros entre os dois líderes, eles dialogaram sobre “o excelente estado” das relações bilaterais.

“Tivemos reuniões muito boas com o comandante Fidel Castro, conversamos sobre muitos temas, foi motivo de grande alegria para mim ver o comandante Fidel bem de saúde”, disse Ahmadinejad a jornalistas ao concluir sua visita de um dia.

“Vimos que ele acompanha todos os assuntos nacionais e os temas mundiais detalhadamente, com muito gosto”, acrescentou o líder iraniano antes de partir para o Equador, a última parada de um giro por quatro países da América Latina críticos à política capitalista e de Washington.

A reunião de Ahmadinejad e Fidel Castro durou duas horas, afirmou Raul.

“Eu perguntei à noite a Ahmadinejad quem havia falado mais e ele disse que foi Fidel”, disse, sorrindo. “É uma mostra de que [Fidel Castro] está muito bem, realmente está muito bem”, acrescentou.

A viagem de Ahmadinejad incluiu também Venezuela e Nicarágua e ocorreu depois de os EUA imporem novas sanções dificultando a maioria dos países de comprar petróleo iraniano.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

RS - Projeto de Integração Cultural

ACJM/RS, em 10/01/2012


FST TERÁ PROJETO DE INTEGRAÇÃO CULTURAL LATINO - AMERICANA ENTRE AS SUAS ATIVIDADES


O grupo  MusicAmerica, se apresenta no show de abertura do Fórum Social Temático, no dia 24 de janeiro, no Anfiteatro Pôr do Sol, e nos  dias 25 e 27 de janeiro em Novo Hamburgo e São Leopoldo, respectivamente.





Por Vânia M. Barbosa

DRT/RS 8927

Reunidos desde o último mês de maio, representantes da sociedade civil – assessorados pelas entidades coordenadoras - participam dos Grupos de Trabalho (GTs) que atuam ativamente na organização das atividades do Fórum Social Temático Crise Capitalista Justiça Social e Ambiental, que ocorre entre os dias 24 a 29 de janeiro, em Porto Alegre e municípios da Região Metropolitana (Canoas, Novo Hamburgo e São Leopoldo).

Com a participação de representantes e ativistas do Estado, nacionais e internacionais, o FST visa a debater e consolidar uma visão estratégica e programática, a ser apresentada na Conferência Rio+20, prevista para os meses de maio e junho de 2012, no Rio de janeiro.

Formado por representantes de entidades e grupos culturais do RS, o GT de Cultura operacionalizou a grade dos projetos apresentados e que farão da programação cultural  do FST. Em razão da grande demanda para participação, o GT vem atualizando diariamente as atividades que poderão ser consultadas no site www.fstematico2012.org.br.

A Associação Cultural José Marti do RS apresentou o projeto MusicAmerica,  que integra trovadores, cantores e cantautores do Brasil;Nicarágua;Cuba;Argentina;Uruguai;Equador e Paraguai para interpretar os processos que marcaram e ainda marcam a trajetória histórica da América Latina, através de canções identificadas com os direitos ambiental, humanos, sociais e políticos das sociedades.

Entre os participantes do MusicAmerica - cuja arte e trajetórias de vida têm um compromisso inegável com a democracia e a defesa da soberania e autodeterminação dos povos -, muitos já se apresentaram em edições anteriores do Fórum Social Mundial realizadas no Estado, por meio da Casa Cuba. Outros se consolidam, em nível continental, através do projeto CANTO DE TODOS, formado por um coletivo de artistas latino – americanos que adotou o nome de uma canção de Violeta Parra (“el canto de todos es mi propio canto…”/ Gracias a la vida)



O MusicAmerica  se apresenta no show de abertura do Fórum Social Temático, no dia 24 de janeiro, no Anfiteatro Pôr do Sol e nos  dias 25 e 27 de janeiro em Novo Hamburgo e São Leopoldo, respectivamente.

Acrescenta-se às apresentações, a Mesa de debates sobre Produção para inclusão cultural, em parceria com a Secretaria da Cultura do Município de São Leopoldo, no dia 27 de janeiro, as 15, que deverá priorizar a participação dos movimentos populares no sentido de contribuir com propostas de capacitação na área, bem como fornecer orientações para que representem/apresentem, de maneira autônoma, propostas oriundas das suas manifestações culturais.

Além de representantes da Secretaria da Cultura de São Leopoldo, participam ainda dos debates os seguintes painelistas: Gloria Teresa Gusmanich Renaut (Paraguai), conhecida na área cultural como Techi Cusmanich, produtora do projeto Canto de Todos no Paraguai e Equador; Carmen Lucia Reyes (Nicarágua), produtora cultural popular na Nicarágua; Alejandro Rubbo (Uruguai),Coordenador do MOVIARTE (Movimento Latinoamericano de Arte) e Coordenador Geral da mostra multiartística denominada La Paz- Muestra e o historiador Célio Turino (Brasil), um dos idealizadores do Projeto Cultura Viva no governo do ex – presidente Lula.

Em parceria com a Representação do Rio Grande do Sul na Coordenação Nacional dos Pontos de Cultura, a ACJM/RS participa do 1º Encontro Mundial de Redes de Pontos de Cultura do Programa Cultura Viva. O encontro deverá abordar o contexto da Cultura Mundial através das Redes de Pontos de Cultura ou Puntos sin Fronteiras, além de outros coletivos culturais como Programa Cultura Viva e Plataforma Puente, visando avanços e fortalecimento das ações em nível mundial.

Leia abaixo a grade de programação MusicAmerica (as atividades estão sujeitas à alterações de datas e confirmação de locais e horários) e  quem são os músicos  participantes

24 de janeiro de 2012, apresentação do grupo MusicAmerica em Porto Alegre

Local: Anfiteatro Pôr – do Sol

Horário: 20h30



25 de janeiro de 2012, 1º Encontro Mundial de Redes de Pontos de Cultura do Programa Cultura Viva, em parceria com a Representação do Rio Grande do Sul na Coordenação Nacional dos Pontos de Cultura

Local: Parque Esportivo Eduardo Gomes, em Canoas

Horário: Das 14 às 18h



25 de janeiro de 2012, apresentação do grupo MusicAmerica em Novo Hamburgo

Local: Em fase de confirmação

Horário: Em fase de confirmação



27 de janeiro de 2012, Mesa de debates sobre Produção para Inclusão Cultural, em São Leopoldo

Local: Centro Municipal de Eventos

Horário: 15 horas



27 de janeiro de 2012, apresentação do grupo MusicAmerica em São Leopoldo

Local: Centro Municipal de Eventos

Horário: 17 horas

MÚSICOS QUE PARTICIPAM DO PROJETO

Pedro Munhoz- Desenvolve uma carreira de mais de 25 anos dedicada à defesa dos direitos humanos, da Ecologia e da Reforma Agrária. Já se apresentou no Canadá, na França, na Itália, em Portugal, na Espanha e em vários países latino-americanos. Participou dos Fóruns Sociais Mundiais de Porto Alegre em 2003, 2005 e 2010.

Raul Ellwanger, RS, cantor, compositor, regente e ativista cultural. De 1970 a 1977 exilou-se no Chile e Argentina de onde retornou em 1979. Participou de 30 festivais  latino – americanos e solidários em 10 países da AL, Caribe e Europa.Tem 15 canções de sua autoria gravadas por nove   intérpretes latino - americanos, entre eles Mercedes Sosa, León Gieco e Numa Moraes, e 33 parcerias e/ou canções gravadas também com autores latino – americanos. Em 1988 foi idealizador e organizador do LATINOMÚSICA, em Pelotas/Brasil, com a participação de Grupos de 8 países: Chico Buarque, MPA, Larbanois-Carrero, Napalé, Tânia Libertad e outros.Participou de turnês solidárias de Alfredo Zitarrosa, Cutumay y Camones, e Los Olimareños no Brasil. Foi ouvidor da Sociedade Argentina de Autores e Compositores  (SADAIC) junto as Sociedades Autoriais brasileiras (1987/1988) e junto ao Comitê da  C.I.S.A.C.  para a América latina.  Participou como convidad em shows de Vicente Feliú, Mercedes Sosa;Silvio Rodrigues;Pablo Milanes, Karumanta;Léon Gieco;Antonio Tarrago Ross;Hugo Días;Labanois –Carrero e Yabor.

Leonardo Ribeiro, RS, após exílio em Paris radicou-se em Porto Alegre, a partir de 1994. Realiza freqüentes turnês à Europa, divulgando seu trabalho. Compôs várias músicas em parceria com Gonzaguinha, além de autores como Helvius Villela, Teca Calazans, Ricardo Vilas e Juarez Fonseca. Como músico e arranjador, participou de discos e shows de Wagner Tiso, Robertinho Silva, Egberto Gismonti, Teca Calazans & Ricardo Vilas e Joyce.

Nelson Coelho de Castro, (RS) é um dos destaques da geração de compositores gaúchos que despontaram nos anos 1980. Em 1983, Nelson lança CD homônimo, primeiro disco independente do Rio Grande do Sul. No mesmo ano, vence o 1º Festival Latino Americano da Canção - Musicanto. No final dos anos 1990, forma um coletivo de muito sucesso ao lado de Bebeto Alves, Gelson Oliveira e Antonio Villeroy.

Zé Martis, músico com mais de 25 anos e uma longa trajetória de participações em festivais, mostras coletivas, CDs, shows e eventos culturais em vários estados do Brasil e em países latino-americano como Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia e Cuba. Gravou e dirigiu como Grupo Unamérica três discos (Unamérica, Unamericando e Unamérica 15 anos), Participou de várias coletâneas destacando recentemente O CD Trovas da Pátria Grande juntamente com músicos uruguaios, chilenos e cubanos. Atualmente é presidente do Conselho dos Dirigentes Municipais de Cultura do Rio Grande do Sul – CODIC, Conselho vinculado a Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande do Sul – FAMURS.Ao longo de sua trajetória Zé Martins foi influenciado pelos vários momentos históricos pelos quais passava a América Latina.  Com inquietante preocupação às questões sociais e ambientais, bem como com a defesa da rica diversidade das culturas dos povos deste continente, sendo sempre considerados elementos de universalização e congregação, nunca de divisão, em sua proposta.

O mineiro Victor Batista é compositor, cantor, violeiro, pesquisador da Cultura Popular e ex-componente da Orquestra Mineira de Violas e dos grupos Pára - Folclóricos Sarandeiros e Congá - UFMG. Como produtor, dirigiu as gravações da Orquestra Mineira de Violas – “Concerto Caipira” - e o CD do setor de educação do MST - “Cantares da educação do Campo”. Lançou seu primeiro CD “Além da Serra do Curral”, um passeio entre o universo da música brasileira e Ibérica, com melodias que demonstram o parentesco mais próximo da Viola Caipira com sua origem européia. Victor Batista se apresentará acompanhado dos músicos Antonio João (Galba) e Negrinho Martins.

Maurício Figueiral, cubano, é cantor e formado em Comunicação Audiovisual, com especialização em Direção de Rádio, Cinema e Televisão, no Instituto Superior de Arte (ISA). Fundador, junto a Adrián Berazaín do projeto de cantautores A Sétima Corda, em 2003. A partir de 2008, se profissionaliza como cantor e passa a pertencer ao Centro Nacional de Música Popular. Em agosto de 2010, como coordenador do projeto Canto de Todos, se apresenta em vários cenários da cidade de Assunção, Paraguai, junto a outro compositor e músico cubano, Vicente Feliú.

O paraguaio Ricardo Flecha iniciou sua carreira artística com o Juglares, em 1980. Desde 1998 desenvolve suas atividades como solista. Seu repertorio se baseia em obras dos cancioneiros paraguaios e latinos americanos tradicionais e contemporâneos. Seu trabalho está vinculado à defesa do idioma Guarani. Ricardo Flecha é autor de dois volumes do “Canto de Ioskarai”, uma obra de reflexão, bilíngüe espanhol - guarani, sobre o cancioneiro latino-americano

O trovador e poeta equatoriano Fabian Jarrin, da Rede Ecuatoriana de Trovadores, iniciou sua carreira na década de 1980. Com ativa presença em festivais de seu país, nos últimos anos tem compartilhado o palco com cantautores equatorianos e com nomes da Nova Trova latino-americana, como Hugo Idrovo, Jaime Guevara, Vicente Feliú, Leo Maslíah e Alejandro. Foi convidado pelo Ministério da Cultura de Cuba para o Encontro Internacional “Canción Necesaria”, em Havana, em 2007, e participou do primeiro Festival Ibero - americano e Caribe “Canto de Todos”, no Paraguai e no Equador.

O equatoriano Fabian Massuh, da Rede Ecuatoriana de Trovadores, é um dos fundadores do movimento Canção do Autor Contemporânea, que transforma o cotidiano em poesia. Como cantautor sempre esteve vinculado à organizações de direitos humanos e movimentos sociais. Participou em vários festivais no Equador e produziu numerosos concertos solidários. Em 1990 participou do Festival de Currulao, da música negra, em Tumaco, Colômbia. Produziu para o Equador e o Paraguai o projeto “Canto de Todos”. Desde 2007 produz os festivais “Canción de Autor”, que têm etapas nacional e internacional.

Gloria Arcos, equatoriana, da Rede Ecuatoriana de Trovadores,  criou os grupos Sendero y Canto Nuevo até firmar-se como solista. Gloria foi a primeira mulher que pisou em palcos do Equador, num cenário até então ocupado por homens. É nessa época que conhece Rick Nelson e Palo Santo, e encontra um novo sentido para a sua música através do jazz, o blues e a experimentação vocal. Foi co-fundadora dos grupos de rock “Guerra Fria” e “Arcos y Flechas”, e fez parte do grupo vocal de mulheres “Del Ilaló”. Tem colaborado com temas para vídeos do movimento feminista do País e obras de teatro e Rádio Arte.

O uruguaio Numa Moraesestudou bandônion e violão clássico. Em 1966 conhece o poeta Washington Benavides, e a partir de então começará um trabalho conjunto que dura até 2002, aliando letras de denúncia social a melodias de raiz folclórica uruguaia. Entre seus parceiros, destaca-se ainda o escritor Mario Benedetti. Em 1972, Numa Moraes é obrigado a exilar-se em Buenos Aires, depois no Chile e na Holanda, e tem sua música censurada no Uruguai. Em 2008, a prefeitura de Montevidéu concedeu a ele o título de Cidadão Ilustre, devido a sua contribuição artística ao país.

Paula Ferré, argentina, se define como uma cantautora incapaz de colocar-se sua voz e sua criatividade a serviço de músicas desatentas à realidade. Além de suas composições a cantora argentina interpreta León Gieco, Víctor Heredia e Charly García, assim como grandes trovadores como Silvio Rodríguez, Pablo Milanés e Juan Manuel Serrat. Paula compartilhou o palco, nos últimos 10 anos, com Mercedes Sosa, Silvio Rodríguez, Daniel Viglietti, Piero, Ignacio Copani, Julia Zenko e Adrián Abonizio, entre outros.

Músico e compositor há 40 anos, Luis Enrique Mejia Godoy, Nicarágua, começou a compor inspirado pela poesia de Ernesto Cardenal, Leonel Rugama e Carlos Martínez Rivas e outros grandes poetas da Nicarágua. Gravou 22 discos como solista, editados na Europa, Estados Unidos e América Latina. Compôs músicas para documentários em cinema e televisão. Já recebeu vários prêmios de organizações e Instituições de arte e cultura, Universidades e prefeituras da Nicarágua, América Central, EUA e Canadá. Mejia Godoy se apresentará acompanhado dos músicos Manuel Guadamuz, Rigoberto Osorio, Jayron Noel Sandoval Montano e Edwin Rayo.

Contato: 99156431 (Vânia)