quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Os Cinco de volta a Cuba (Fotos e Vídeo)

Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro no encontro com Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
O presidente de Cuba, Raúl Castro, recebeu em Havana os três cubanos que permaneciam presos nos EUA desde 1998 em um encontro onde intercambiaram abraços e agradecimentos.
“Orgulhoso de vocês pela resistência que mostraram pelo valor e exemplo que isso representa para todo nosso povo”, disse Raúl a Gerardo Hernández, Antonio Guerrero e Ramón Labañino, segundo divulgação pela emissão noturna do Noticiário Nacional de Televisão.
As imagens mostram o reencontro de Gerardo , Ramón e Antonio Guerrero com seus familiares, um emotivo momento sobretudo no caso de Hernández com sua esposa, Adriana Pérez.
Após sua chegada a Havana, Hernández, Labañino e Guerrero foram recebidos nas ruas por seus vizinhos e visitaram o cemitério para render tributo a seus familiares falecidos durante o tempo que permaneceram presos.
Hernández, Labañino e Guerrero formam parte do grupo conhecido como “Os Cinco”, detidos em 1998 nos Estados Unidos quando a Oficina Federal de Investigações (FBI) desmantelou a rede que atuava no sul da Flórida enquanto monitoravam grupos terroristas.
Considerados “herois” e “lutadores antiterroristas” em Cuba, o grupo está conformado também por René González e Fernando González, os quais regressaram a Havana em 2013 e fevereiro passado, respectivamente, após cumprir suas penas.
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro durante o anúncio diante da Televisão e a Radio nacionais. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Os Cinco. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Os Cinco. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Os Cinco com Raúl. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Ramón, Tony, Fernando e Gerardo. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro no encontro com Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero. Aqui também estão René e Fernando. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Raúl abraça Ramón. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Adriana e Gerardo conversam com Mirta, a mãe de Antonio. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Gerardo Hernández (I), con su esposa Adriana (D), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Gerardo Hernández com sua esposa Adriana, na sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución/
Nuestro héroe Gerardo Hernández (I), con su esposa Adriana (D), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Gerardo Hernández com sua esposa Adriana, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Antonio Guerrero (D)), con su madre Mirta(I), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución
Nosso heroi Antonio Guerrero com sua mãe Mirta, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino (I), con su esposa Elisabeth (D), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución
Nosso heroi Ramón Labañino com sua esposa Elisabeth, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Antonio Guerrero (D), con su madre Mirta, a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución
Nosso heroi Antonio Guerrero com sua mãe Mirta, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Antonio Guerrero (D), con su madre Mirta, a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Antonio Guerrero com sua mãe Mirta, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino(I), con su esposa Elisabeth, a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Ramón Labañino com sua esposa Elisabeth, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino(C), con su esposa Elisabeth, y sus hijas,  a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Ramón Labañino com sua esposa Elisabeth e suas filhas em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino(C), con su esposa Elisabeth, y dos de sus hijas,  a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución
Nosso heroi Ramón Labañino com sua esposa Elisabeth e duas de suas filhas, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino(D), con su esposa Elisabeth, a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Ramón Labañino com sua esposa Elisabeth, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Ramón Labañino(D), con una de sus hijas , a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Ramón Labañino com uma de suas filhas, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución
Nuestro héroe Gerardo Hernández Nordelo(I), con su esposa Adriana (D), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
Nosso heroi Gerardo Hernández Nordelo com sua esposa Adriana, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución/
El General de Ejercito Raúl Castro Ruz (D), Primer Secretario del Comité Central del Partido Comunista de Cuba(CC PCC), y Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros, dialoga con nuestros héroes Gerardo (I), Ramón (C) y Tony (CD), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución/
O General de Exército Raúl Castro Ruz (D), Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba(CC PCC) e Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, dialoga com nossos herois Gerardo (E), Ramón (C) e Tony (CD), em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución/
El General de Ejercito Raúl Castro Ruz (I), Primer Secretario del Comité Central del Partido Comunista de Cuba(CC PCC), y Presidente de los Consejos de Estado y de Ministros, recibe a nuestro héroe Gerardo Hernández Nordelo (D), a su arrivo a la patría, en La Habana, el 17 de diciembre de 2014.    AIN  FOTO/ Estudios Revolución
O General de Exército Raúl Castro Ruz, Primeiro Secretário do Comitê Central do Partido Comunista de Cuba(CC PCC) e Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, recebe nosso heroi Gerardo Hernández Nordelo, em sua chegada à pátría, em Havana, dia 17 de dezembro de 2014. Foto: Estudios Revolución

Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Antonio, Ramón e Fernando. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Antonio e Fernando. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Antonio abraça sua mãe, Mirta. Foto: Estudios Revolución
Raúl Castro en el encuentro con Gerardo Hernández, Ramón Labañino y Antonio Guerrero. Foto: Estudios Revolución
Ramón e Elizabeth Foto: Estudios Revolución


Retirado de CubaDebate

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Pronunciamento do presidente Raúl Castro sobre relações de Cuba com os EUA

Compatriotas:


Desde minha eleição como Presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, tenho reiterado em múltiplas ocasiões, nossa disposição a sustentar com o governo dos Estados Unidos um diálogo respeitoso, baseado na igualdade soberana, para tratar os mais diversos temas de forma recíproca, sem menosprezo à independência nacional e à autodeterminação de nosso povo.



Esta é uma posição que foi expressada ao Governo dos Estados Unidos, de forma pública e privada, pelo companheiro Fidel em diferentes momentos de nossa longa luta, com a proposta de discutir e resolver as diferenças mediante negociações, sem renunciar a um só de nossos princípios.



O heroico povo cubano demonstrou, frente a grandes perigos, agressões, adversidades e sacrifícios, que é e será fiel a nossos ideais de independência e justiça social. Estreitamente unidos em 56 anos de Revolução, guardamos profunda lealdade aos que caíram defendendo esses princípios desde o início de nossas guerras de independência em 1868.



Agora, levamos adiante, apesar das dificuldades, a atualização de nosso modelo econômico para construir um socialismo próspero e sustentável.



Resultado de um diálogo ao mais alto nível, que incluiu uma conversa telefônica que sustentei ontem com o Presidente Barack Obama, se pôde avançar na solução de alguns temas de interesse para ambas nações.



Como prometeu Fidel, em junho do 2001, quando disse: “Voltarão!”, chegaram hoje a nossa Pátria, Gerardo, Ramón e Antonio.

A enorme alegria de seus familiares e de todo nosso povo, que se mobilizou infatigavelmente com esse objetivo, se estende entre os centenas de comitês e grupos de solidariedade; os governos, parlamentos, organizações, instituições e personalidades que durante estes 16 anos exigiram e fizeram denotados esforços por sua libertação. A todos eles expressamos a mais profunda gratidão e compromisso.


Esta decisão do Presidente Obama, merece o respeito e reconhecimento de nosso povo.



Quero agradecer e reconhecer o apoio do Vaticano e, especialmente, do Papa Francisco, à melhoria das relações entre Cuba e Estados Unidos. Igualmente, ao Governo do Canadá pelas facilidades criadas para a realização do diálogo de alto nível entre os dois países.



Por sua vez, decidimos soltar e enviar aos Estados Unidos um espião de origem cubana que esteve a serviço dessa nação.



Além disso, baseados em razões humanitárias, hoje também foi devolvido a seu país o cidadão norte-americano Alan Gross.



De maneira unilateral, como é nossa prática e em estrito apego a nosso ordenamento legal, receberam benefícios penais os reclusos correspondentes, inclusive a libertação de pessoas sobre as quais o Governo dos Estados Unidos tinha demonstrado interesse.



Igualmente, acordamos a restauração das relações diplomáticas.



Isto não quer dizer que o principal tenha sido resolvido. O bloqueio econômico, comercial e financeiro que provoca enormes danos humanos e econômicos a nosso país deve cessar.



Ainda que as medidas do bloqueio tenham sido convertidas em Leis, o Presidente dos Estados Unidos pode modificar sua aplicação usando de suas faculdades executivas.



Propomos ao Governo dos Estados Unidos adotar medidas mútuas para melhorar o clima bilateral e avançar para a normalização dos vínculos entre nossos países, baseados nos princípios do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas.



Cuba reitera sua disposição a sustentar cooperação nos organismos multilaterais, como a Organização das Nações Unidas.



Ao reconhecer que temos profundas diferenças, fundamentalmente em matéria de soberania nacional, democracia, direitos humanos e política exterior, reafirmo nossa vontade de dialogar sobre todos esses temas.



Chamo o Governo dos Estados Unidos a remover os obstáculos que impedem ou restringem os vínculos entre nossos povos, as famílias e os cidadãos de ambos países, em particular os relativos às viagens, ao correio postal direto e às telecomunicações.



Os avanços atingidos nas conversas sustentadas demonstram que é possível encontrar solução a muitos problemas.

Como temos repetido, devemos aprender a arte de conviver, de forma civilizada, com nossas diferenças.

Sobre estes importantes temas voltaremos a falar mais adiante.

Muito obrigado.

Raúl Castro Ruz - 17 de dezembro de 2014



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Havana foi eleita uma das novas 7 cidades-maravilha do mundo

Foto: new7wonders.com

Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez/ Cubadebate.
Foto: Ladyrene Pérez / Cubadebate.
Retirado de CUBADEBATE e de GRANMA

TURMA CÍCERO GUEDES DO MST PRESTA SOLIDARIEDADE AOS CINCO !





BRASIL
No Assentamento Osvaldo de Oliveira, em Macaé - Rio de Janeiro, neste sábado 6 de dezembro o Comitê Carioca pela Liberdade dos Cinco Cubanos teve a alegria e honra de participar da formatura da Turma Cícero Guedes - a primeira turma de uma área do MST - Movimento dos Trabalhadores Sem Terra no Rio de Janeiro a ser alfabetizada pelo método cubano "Sim, eu posso !".
A cerimônia foi muito emocionante e o primeiro livro que receberam foi a cartilha do Comitê Carioca que conta a história dos Cinco antiterroristas. Após uma conversa sobre o caso, todos posaram com seus livros se comprometendo a divulgar o caso daqui para a frente como forma de retribuir a Cuba por mais esta conquista que alcançaram.



A "professora" do método, a atriz Tuca Moraes participou de toda a festa e também posou com o cartaz dos Cinco.
VOLVERÁN !! TODOS !!!



Mais fotos da formatura da Turma Cícero Guedes no Assentamento Osvaldo de Oliveira. Solidariedade aos Cinco. A Cuba. 
Cícero Guedes foi um companheiro do MST que foi assassinado em Campos dos Goytacazes por causa da questão agrária. Ele foi um militante e lutador pela emancipação dos trabalhadores rurais no estado. Sempre levou a educação como grande libertadora do povo trabalhador.
Os assentados prestam uma linda homenagem a Cícero batizando a primeira turma de alfabetizados em área do MST com seu nome. Presente !!!



sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Todo apoio aos médicos brasileiros formados em Cuba


“Aqui no se pratica la caridad. Aqui lo que se practica es la solidariedad.” 

 Ernesto Che Guevara – Placa no Hall de entrada do Hospital Enrique Cabrera – Hospital Nacional de Cuba. 

 Desde a passagem dos furacões George y Mitch em 1998, que devastaram a América Central, o governo de Cuba resolveu criar a Escola Latino-americana de Medicina (ELAM), com o intuito de formar profissionais para brindar atenção em saúde ao povo latino-americano. Desde então, milhares de médicas e médicos são formados anualmente em Cuba, provenientes de países dos cinco continentes, inclusive brasileiros. 

No último ano, se graduaram em cuba cerca de 400 médicos brasileiros. Médicas e médicos que compreendem que a saúde do nosso povo não depende somente de profissionais capacitados, mas principalmente das condições de moradia, saneamento, educação, cultura, esporte, tempo livre e qualidade de vida que possibilitam que as pessoas tenham plenas condições de se desenvolver como sujeitos. Médicas e médicos formados com o princípio de defesa da saúde pública e de uma medicina humanizada. Profissionais formados na perspectiva de que o processo saúde-doença dos povos depende de suas condições de trabalho, de sua relação com os meios de produção e reprodução da vida e das relações sociais determinadas em cada modo de produção; ou seja, profissionais que compreendem que o processo saúde-doença dos povos é determinado pelas condições sociais de sua existência e que, numa sociedade dividida em explorados e exploradores, é distinto para cada classe social. Em síntese, médicas e médicos de ciência e consciência, capazes de compreender todos esses aspectos ao trabalhar a saúde, e não apenas enfocar nos aspectos biológicos como é costumeiro em nosso país. 

Contudo, de acordo com a legislação brasileira, estes médicos são impedidos de trabalhar, a não ser que façam uma prova de revalidação dos diplomas. Essa prova, o REVALIDA, é realizada anualmente pelo INEP, desde 2010, na qual menos de 10% dos estudantes aprovam. Lutamos por um sistema justo de revalidação dos diplomas de medicina no Brasil, para que médicos e médicas com uma formação humanista e altamente qualificada cientificamente, como os formados em Cuba, possam atuar imediatamente no Brasil e contribuir pra transformar nosso sistema de saúde. 

União da Juventude Comunista considera que a saúde é um direito da população brasileira, e a construção de um sistema de saúde público, gratuito, 100% estatal e humanizado é um dos princípios de nossa organização. Por isso apoiamos estes médicos e médicas que corajosamente, depois de sete anos aprendendo sobre as ciências médicas e a solidariedade internacional, regressam ao nosso povo trabalhador para compartilhar tudo o que aprenderam com nossos companheiros e hermanos cubanos e latino-americanos. 

Por uma saúde 100% pública e estatal, integral, gratuita e de alta qualidade! 

Viva a medicina cubana! 

 Viva a Escola Latino-Americana de Medicina em Cuba! 

Revalidação Já! 

Coordenação Nacional da União da Juventude Comunista-UJC.

Retirado de SOLIDÁRIOS

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Os CINCO. Liberdade já!!!

João Pedro Stédile com o Papa Francisco na ocasião da entrega da carta pelos Cinco



Líderes de organizações sociais participantes do II Encontro Mundial de Movimentos Populares no Vaticano, Itália, realizado de 27 a 29 de outubro, entregaram ao Papa Francisco uma carta com pedido de intervenção no caso dos Cinco.

" Santo Padre, 16 anos é demasiado  tempo. Apelamos à sua conhecida compaixão como Pastor e lhe rogamos que interceda junto ao Presidente Obama para que estes homens sejam devolvidos neste Natal a seu país, suas famílias e seu povo. Obama pode assinar um perdão presidencial, indulto, ou usar qualquer das prerrogativas que lhe confere a Constituição de seu país" requer a carta, uma iniciativa do Comitê brasileiro de Solidariedade aos Cinco assinada pelo Comitê Internacional, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra do Brasil (MST) e o Centro Memorial Martin Luther King Jr. de Cuba.

Durante o segundo dia do Encontro, os mais de cem ativistas sociais de todos os continentes celebraram um encontro com o Sumo Pontífice com a presença de Evo Morales, líder indígena e camponês, atual Presidente da Bolívia. Em um ambiente fraternal propiciado pela comitiva de cerca de 15 líderes sociais a quem o Papa Francisco deu as boas vindas no Salçao Antigo do Sínodo do Vaticano, João Pedro Stédile, dirigente histórico do MST, entregou o documento pela Liberdade dos cubanos. " Quero lhe entregar uma carta com um pedido de muitas entidades de movimentos de direitos humanos de todo o mundo para um tema de injustiça contra cinco cubanos", disse Stédile.

" Muitos na comunidade internacional cientes deste caso injusto, sobretudo na América Latina e no Caribe agradeceremos enormemente sua mediação para que o Presidente Obama encontre uma saída humanitária para este caso. Os cristãos e cristãs em Cuba também. Uma atitude positiva do Presidente Obama seria um gesto de generosidade e um forte sinal no caminho de melhorar as relações entre seu governo e o cubano, agora que a contribuição de Cuba na luta contra o ebola tem recebido reconhecimento público das autoridades estadunidenses" afirma mais adiante a carta.

Ao finalizar o encontro, durante a saudação pessoal do Papa a cada um dos participantes, Joel Suárez, coordenador geral do Centro Memorial Dr. Martin Luther King Jr., associação cubana de inspiração cristã, ao apertar as mãos do Papa, reiterou a petição : "Venho da amada ilha de Cuba, somos irmãos na fé. João Pedro do MST lhe entregou uma carta, eu lhe peço em nome de Deus que preste à carta especial atenção".

Em 12 de setembro passado Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero cumpriram 16 anos de encarceramento em prisões dos EUA. René González e Fernando González Llort se encontram em Cuba após cumprirem várias penas. A campanha pela Liberdade dos Cinco começou com o povo cubano e tem recebido o apoio de advogados, artistas, intelectuais , ativistas , parlamentares, religiosos e movimentos populares e de solidariedade de diversos lugares do mundo.

VOLVERÁN !! TODOS !!!

terça-feira, 11 de novembro de 2014

28/10 - Há 55 anos morria Camilo Cienfuegos

28 de outubro é o dia em que milhares de crianças cubanas jogam flores nos rios e no mar para homenagear Camilo Cienfuegos. O ritual é o mesmo desde 1959, quando o revolucionário desapareceu em um bimotor Cessna 310, que viajava da província de Camagüey até Havana. Nem o avião, nem Camilo, nem os outros dois passageiros – o piloto Luciano Fariñas e o soldado Félix Rodrigues – foram encontrados.

Crianças jogando flores no Malecón, mais famosa avenida da capital cubana (Foto: Ladyrene Pérez/Cubadebate)
Crianças jogando flores no Malecón, mais famosa avenida da capital cubana (Foto: Ladyrene Pérez/Cubadebate)
Camilo é lembrado até hoje pelos cubanos porque ele, junto de Fidel Castro, Ernesto Guevara e Vilma Espín, foi uma das personalidades de destaque da Revolução Cubana (1959). Foi o primeiro comandante do Exército Rebelde a entrar na capital e o responsável pela tomada do Regimento Columbia, um dos maiores símbolos da força militar do ditador Fulgêncio Batista (1940-1944 e 1952-1959).
Nasceu em 6 de fevereiro de 1932 na província de Havana. Começou a estudar, mas precisou deixar a escola para trabalhar. Seu primeiro emprego era no setor de limpeza de uma loja de roupas e ajudava seu pai, alfaiate, com pequenos serviços. Durante o governo de Batista, Camilo participou de alguns protestos até que, em 1954, quando tinha 21 anos, foi fichado e se viu obrigado a deixar Cuba. Exilado em Nova York, trabalhou como camareiro, pintor e alfaiate. Deportado no ano seguinte por participar de manifestações, foi para o México e depois para Cuba. Em 1956, foi preso novamente, voltou aos Estados Unidos e se aproximou do Movimento 26 de Julho. Um dos últimos a se integrar à “Expedição Granma”, participou de diversas batalhas até o 1° de janeiro em que os revolucionários conseguiram tomar o poder.
Após o início da Revolução, Camilo foi designado nomeado Jefe de todas las Fuerzas Armadas en la provincia de La Habana, um dos maiores cargos dentro do Exército, e Jefe de Estado Mayor del Ejército Rebelde. Sua vida, porém, acabou nove meses após o início do processo revolucionário.
Em 12 de novembro de 1959, Fidel fez um comunicado oficial na televisão sobre o desaparecimento de Camilo informando que, no dia 28, na região onde o avião dele passava, havia uma forte tempestade. Na tentativa de desviar, havia a possibilidade de o bimotor ter se dirigido ao norte da ilha. Em decorrência da nova rota, não prevista, possivelmente o combustível acabou, não foi suficiente para pousar em segurança em algum lugar da ilha e caiu no mar. Há quem conteste esta versão, sobretudo oposicionistas do governo cubano, insinuando que o próprio Fidel queria que ele desaparecesse e por isso premeditou seu assassinato.
Falam de Camilo como uma pessoa popular, carismática e simpática. Uma das histórias mais famosas é sobre um jogo de basebol, esporte nacional cubano, realizado com objetivo de arrecadar fundos para a reforma agrária. Os times eram Polícia Nacional Revolucionaria (PNR) e os Barbudos, composto por membros do Exército Rebelde. Inicialmente, tanto Camilo quanto Fidel eram lançadores. Instantes antes da partida, Camilo entrou no campo com uniforme de rebatedor do time dos Barbudos, junto de Fidel, e disse: “Yo no estoy contra Fidel ni en un juego de pelota” (Não estou contra o Fidel nem em jogo de bola). Juntos perderam: a partida acabou 3 a 0 para os policiais.
camilo-fidel
Camilo e Fidel no jogo de basebol (Foto: Cubadebate)
Depois de sua morte, tornou-se um mártir da Revolução, e embora seu rosto não estampe camisetas e chaveiros mundo afora, como acontece com Che, sua foto está sempre em cartazes das manifestações realizadas na ilha. Seu rosto estampa ainda a nota de vinte pesos cubanos. É chamado de Señor de la Vanguardia e Héroe de Yaguajay – cidade cubana onde aconteceu o combate de maior destaque da trajetória de Camilo -, dá nome a uma universidade, Universidad Camilo Cienfuegos de Matanzas e a um colégio, a Escuela Militar Camilo Cienfuegos (EMCC), onde os alunos são chamados de “Camilitos”.
Abaixo seguem algumas fotos do Camilo divulgadas na imprensa cubana nesta terça-feira (28):
camilocienfuegos02-580x803
Camilo na Serra Maestra (Foto: Cubadebate)
camilo-cienfuegos-en-yaguajay
Camilo e um grupo de combatentes (Foto: Perfecto Romero/Cubadebate)
camilo-cienfuegos-en-yaguajay1-580x686
Foto: Cubadebate
camilo-cienfuegos-ernesto-che-guevara-580x445
Camilo e Che (Foto: Cubadebate)
camilo-cienfuegos-foto-perfecto-romero
Foto: Perfecto Romero/Cubadebate

fidel-castro-camilo-cienfuegos
Fidel e Camilo na Serra Maestra (Foto: Cubadebate)