segunda-feira, 27 de julho de 2015

Cuba pede fim do bloqueio e devolução de Guantânamo nas celebrações do Dia da Rebeldia

Data marca o 62º aniversário do assalto ao Quartel Moncada, quando militantes liderados por Fidel Castro realizaram a primeira ação armada da revolução

Durante as celebrações do 62º aniversário do assalto ao Quartel Moncada, Cuba pediu neste domingo (26/07) que os EUA coloquem fim ao bloqueio econômico e que devolvam a base naval de Guantânamo. As exigências nesta data – que marca o início da Revolução Cubana e também é conhecida como ‘Dia da Rebeldia’ – ocorrem quase uma semana após a ilha oficializar o restabelecimento de relações diplomáticas com os EUA.

O ato comemorativo ocorreu no antigo quartel de Moncada, situado em Santiago de Cuba e convertido em uma escola, onde em 26 de julho de 1953 os militantes liderados por Fidel Castro realizaram o que é considerada a primeira ação armada da revolução.

No evento, o discurso central ficou a cargo do vice-presidente de Cuba, José Ramón Machado Ventura. "Começa agora um longo e complexo caminho rumo à normalização das relações, que inclui o fim do bloqueio e a devolução da base naval de Guantânamo", exigiu.


Segundo o número 2 do Executivo, a reabertura das embaixadas na última segunda-feira (20/07) marca “o término da primeira fase do processo iniciado em 17 de dezembro", quando o chefe de Estado cubano, Raúl Castro, e seu homólogo estadunidense, Barack Obama, anunciaram uma reaproximação bilateral.

"Saio daqui com a fiel esperança de que Santiago sempre seguirá sendo Santiago!", limitou-se a declarar Raúl, aludindo ao tradicional espírito revolucionário dos habitantes da província situada na porção oriental da ilha e tida como “o berço da revolução” de Castro.

As festividades contaram com diversos shows e reuniram cerca de 10 mil pessoas, entre as quais, “Os Cinco”, agentes cubanos considerados terroristas pelos EUA e heróis para a ilha, que ficaram encarcerados durante anos em prisões norte-americanas.


Em 26 de julho de 1953, o Quartel Moncada foi alvo da primeira, e fracassada, ação armada de Fidel Castro contra o ditador Fulgencio Bastista. Esse levante, que incluiu o quartel Carlos Manuel de Céspedes, na cidade de Bayamo, é uma das datas emblemáticas do calendário político cubano ao lado do triunfo revolucionário de 1º de janeiro de 1959.

Retirado de SOLIDÁRIOS

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Carta do presidente cubano Raúl Castro Ruz ao presidente dos Estados Unidos


Sr. Barack H. Obama

Presidente dos Estados Unidos da América

Senhor presidente:

Em consonância com os anúncios de 17 de dezembro de 2014 e as conversações de alto nível entre nossos governos, satisfaz-me comunicar-me com o senhor para confirmar que a República de Cuba decidiu restabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos da América e abrir missões diplomáticas permanentes em nossos respectivos países, em 20 de julho de 2015.

A parte cubana assume esta decisão, animada pela intenção recíproca de desenvolver relações respeitosas e de cooperação entre nossos povos e governos.

Cuba se inspira, da mesma forma, nos princípios e propósitos consagrados na Carta das Nações Unidas e o Direito Internacional, a saber, a igualdade soberana, a solução das controvérsias por meios pacíficos, abster-se de recorrer à ameaça ou ao emprego da força contra a integridade territorial ou a independência política de qualquer Estado, a não intervenção nos assuntos que são da jurisdição interna dos Estados, o fomento de relações de amizade entre as nações baseadas no respeito ao princípio da igualdade de direitos e a livre determinação dos povos e a cooperação na solução de problemas internacionais e no desenvolvimento e estímulo do respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais de todos.

O anteriormente expresso está em conformidade com o espírito e as normas estabelecidas na Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 18 de abril de 1961 e na Convenção de Viena sobre Relações Consulares de 24 de abril de 1963, das quais tanto a República de Cuba como os Estados Unidos da América são Estados assinantes e regerão as relações diplomáticas e consulares entre a República de Cuba e os Estados Unidos da América.

Aproveito a ocasião para lhe expressar, senhor presidente, o testemunho de nossa consideração.                                                                                                                            

Raúl Castro Ruz

Havana

1 de julho de 2015.